Artigos

VER TODOS

A inovação disruptiva na atividade de inteligência - Por Antonio Alexandre Kale

A inovação disruptiva na atividade de inteligência - Por Antonio Alexandre Kale

A atividade de inteligência está inserida na história da civilização desde os seus primórdios. Esteve presente nos vedas, alfarrábios de Sun Tzu antes de Cristo, nas compilações bíblicas e atualmente deveras mencionada em todos os seguimentos sociais. Sempre presente e objeto de êxito nas grandes guerras ou, por vezes, fracassos que ceifaram inúmeras vidas em atentados terroristas e demais ações adversas.

Evitando conceituação precisa e esgotada, a inteligência dentre outras atribuições, exerce o papel de assessoramento através da produção do conhecimento e neutralização de ações que ponham em risco a sociedade naquilo que se quer proteger, apontando um norte para aquele que possua o poder decisório.

Com as demandas crescentes e o novo desafio global, além da segurança e defesa do território (terra, mar e ar), a cybersegurança ganha destaque diante dos desafios da quarta revolução, a tecnológica.

Algumas palavras-chaves se tornaram praxe na mídia e nos discursos atinentes a área, tais como: integração e investimento em recursos humanos e materiais, principalmente os tecnológicos.

Há confusão de conceito, debates e procedimentos onde imprecisamente misturam inteligência com investigação, muitas vezes com o escopo de legitimar investigação sob o manto equivocado da atividade de inteligência. Causa arrepio aos analistas e doutrinadores. É bom deixar claro que na primeira há a necessidade de conhecer e na segunda de provar, ambos na busca da verdade.

Sem a presunção mais uma vez de conceituar, a “era da inovação disruptiva” traz novos paradigmas em produtos e serviços que se apresentam no mercado e na produção rompendo os modelos convencionais. Através da (cri)atividade fazer menos com mais, mais barato, mais célere, mais preciso e da melhor forma.

O que isso tem a ver com a Inteligência?

As agências de inteligência observam a necessidade de inovar, de realizar algo mais, de superar os desafios da revolução tecnológica e da sofisticação dos meios utilizados pelos criminosos.

Rompendo (pre)conceitos e unindo esforços, mister se faz a união das agências de inteligência e a Academia.  A inovação disruptiva que se faz necessária é o incremento da ciência, da pesquisa e do desenvolvimento multidisciplinar na atividade de inteligência.

* Antonio Alexandre Kale, Membro efetivo do IASC, Delegado de Polícia de Entrância Especial, Diretor de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Estado de Santa Catarina.

PUBLICIDADE fg interno FG seguros 1

Outros Artigos

VER TODOS