Notícias

VER TODOS

Delegado pede afastamento de seis policiais civis grevistas em Goiás

Delegado pede afastamento de seis policiais civis grevistas em Goiás

O titular da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), Murilo Polati, pediu o afastamento de seis policiais civis que participam da greve da categoria em Goiás, que completa 79 dias nesta quinta-feira (5). De acordo com o delegado, a decisão foi motivada por conta do comportamento considerado inadequado dos agentes e não pelo fato de eles terem aderido à paralisação.

O documento assinado por Polati foi entregue à Superintendência de Polícia Judiciária na quarta-feira (4). "Houve quebra de hierarquia e respeito de alguns servidores perante a autoridade policial, inclusive com ofensas e xingamentos a outros servidores que aqui trabalhavam efetivamente. Se essa situação ocorresse ou não na greve, eles teriam o mesmo destino", argumenta.

Polati afirma ainda que a situação teria se agravado depois do corte de ponto da folha de pagamento dos policiais em greve. "Entraram chutando a porta [de sua sala] e ofendendo a integridade física minha e de outros delegados. Não vamos acatar desrespeito", salienta.

Um dos seis servidores citados no documento é o diretor jurídico do Sindicato dos Policiais Civis de Goiás (Sinpol-GO), Rainel Mascarenhas. Ele contestou as justificativas usadas pelo delegado para tomar a decisão do afastamento. Ele classificou as declarações do titular da DIH como "mentirosas".

"O corte de ponto gerou uma insatisfação, mas não ao ponto de chegarmos na sala dele batendo a porta. Essa história está mal contada e mentirosa. É uma desculpa furada", pontua.

O presidente do Sinpol, Silveira Alves, afirmou que a atitude causou revolta entre os grevistas. De acordo com ele, o sindicato irá entrar com um mandado de segurança para que os policiais possam voltar à delegacia assim que a paralisação acabar. Além disso, Alves revelou que também irá representar criminalmente contra Polati por abuso de autoridade e por danos morais causados aos agentes.

Silveira Alves afirmou que a atitude pode adiar o fim da greve. Uma assembleia, que estava marcada para quarta-feira, foi reagendada para a próxima segunda-feira (9). "Estava tudo encaminhando de forma pacífica, mas agora os ânimos ficaram acirrados. Essa atitude interfere sim [no fim da paralisação]. Vamos estudar sobre estender a greve", disse.

G1

PUBLICIDADE Crossfit interno

Outras Notícias

VER TODOS