Notícias

VER TODOS

Polícia Civil e PRF monitoram possíveis rachas em São Miguel do Oeste

Polícia Civil e PRF monitoram possíveis rachas em São Miguel do Oeste

Em coletiva à imprensa na tarde de ontem, quarta-feira (12), PRF e Polícia Civil tornaram público um trabalho conjunto desenvolvido com a finalidade de apurar a suposta prática de “rachas” na Av. Willy Barth, em São Miguel do Oeste-SC, em razão de informações de que alguns condutores estão utilizando a via pública para promover corridas.

Esta conduta, além de expor os próprios condutores a riscos desnecessários, gera uma situação de perigo aos demais usuários da rodovia, considerando a possibilidade de ocorrência de acidentes graves. As consequências para quem insiste nesse tipo de comportamento pode atingir tanto a esfera administrativa quanto à penal. A multa de trânsito é considerada gravíssima e o valor é de R$ 2.934,70 caso o condutor seja flagrado participando de corrida em via pública. 

Na esfera criminal, o art. 308 do Código de Trânsito Brasileiro prevê a disputa de rachas em via pública como crime, estabelecendo pena de 6 meses a 3 anos de detenção, além de multa e suspensão da habilitação.

Na oportunidade foram apresentados os números referentes aos acidentes de trânsito ocorridos nos últimos 12 meses na Willy Barth . A PRF registrou mais de 60 acidentes apenas no trecho urbano de São Miguel do Oeste. Houve o registro de sete colisões contra postes de energia elétrica, sendo que em seis desses acidentes havia indícios de ingestão de álcool ou de excesso de velocidade.

Segundo a PRF, o fator humano ainda é o principal causador de acidentes no trecho, sendo que a imprudência, o excesso de velocidade e a ingestão de álcool estão relacionados em cerca de 95% dos acidentes.


Caso sob investigação

No início de agosto, após um veículo colidir contra um poste de energia elétrica da CELESC, gerando um prejuízo de aproximadamente 17 mil reais, a PRF recebeu informações de que o veículo acidentado estaria disputando um racha em via pública. Diante dessa suspeita inicial, foi realizado o levantamento das imagens de câmeras de monitoramento, que foram prontamente compartilhadas com a Polícia Civil, que instaurou inquérito policial com o objetivo de investigar o fato. Atualmente, no Inquérito Policial, encontram-se sob investigação os crimes de racha, dano ao patrimônio público e de afastar-se do local do acidente para fugir da responsabilidade penal ou criminal.

PUBLICIDADE damasio interno

Outras Notícias

VER TODOS